Banco Garantia, Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles

Ao longo de duas décadas de negócios, o Banco Garantia só perdeu dinheiro em dois anos: o primeiro, 1976, e o último, 1998. O prejuízo inicial pode ser creditado a uma arbitrariedade tirada do saco de maldades do governo militar. Mário Henrique Simonsen, então ministro da Fazenda, expurgou quatro pontos percentuais da correção monetária e quase quebrou o banco de Jorge Paulo Lemann. O último foi barbeiragem. Excesso de confiança.

Jorge Paulo Lemman

Em meados de 1997, quando estourou

Ler maisBanco Garantia, Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles

Pacote oficializa dinheiroduto do Fed para as pirâmides financeiras

Secretário do Tesouro de Bush propõe trocar organograma enquanto assevera que base da regulamentação é “a disciplina dos mercados”. No mais, vai garantir a transparência com derivativos e manterá turno de trabalho do Fed aos domingos

Enquanto o secretário do Tesouro de W. Bush, Henry Paulson, anunciava o que a mídia dos EUA – e certa mídia daqui – apresentaram como a “maior mudança” na regulamentação do sistema bancário dos EUA “desde 1930”, um professor universitário norte-americano singelamente a classificou de “uma reforma bancária feita por um banqueiro de investimentos”. Certamente se referindo à carreira de Paulson no Goldman Sachs. Já o economista norte-americano Paul Krugman

Ler maisPacote oficializa dinheiroduto do Fed para as pirâmides financeiras

As nossas regras são melhores… Nem tanto

Uma certa mentalidade insular tem propagado um mantra nos últimos meses. As regras financeiras e bancárias no Brasil são melhores do que as existentes nos outros países. Sobretudo, melhores do que as em vigor nos EUA.

 Pode ser. Mas tenho dúvidas, embora não milite no jornalismo econômico há algum tempo. No Brasil, de fato, os bancos são obrigados a terem reservas mais altas para cobrir suas operações de crédito. Nos EUA, bancos estavam alavancados dezenas de vezes (para cada dólar em caixa emprestavam 30 ou 35 dólares na praça; uma loucura). Tudo verdade. Mas vale ressaltar dois aspectos. 1) capitalismo diferente: os bancos no Brasil sobrevivem numa categoria diferente de livre mercado. É algo que poderia muito bem ser classificado de “capitalismo sem risco”. Os juros mais altos do mundo, há décadas, tornaram a atividade financeira uma moleza se comparada à de países onde há uma única forma de capitalismo, o capitalismo real, com risco. Por estas plagas, dois amigos têm dinheiro sobrando, abrem um banco, compram títulos do Tesouro brasileiro e certamente terão lucro, sem necessidade de arrojo ou inovação.  Nos EUA, o juro pago por papéis do governo é

Ler maisAs nossas regras são melhores… Nem tanto

Warren Buffett está comprando !

EM ARTIGO NO NY TIMES, BUFFETT DIZ QUE ESTÁ COMPRANDO AÇÕES

O investidor Warren Buffet afirmou que está comprando ações no mercado norte-americano, mesmo com os recentes declínios nos índices da bolsa. “Uma regra simples orienta as minhas compras: seja medroso quando todos são gananciosos e ganancioso quando todos são medrosos“, explicou, em um artigo publicado na página de Opinião do jornal The New York Times.Buffet decidiu incluir ações em sua carteira pessoal de investimentos, que anteriormente era composta apenas por

Ler maisWarren Buffett está comprando !

Impostos na conta de luz!!!

Olhem só quanto imposto incide numa conta de luz (no Estado de São Paulo):
– Numa conta de luz no valor de R$ 82,60. Vamos calcular as incidências sobre o produto, independente das discussões se é de cima para baixo, de baixo para cima, por dentro, por fora e outras conversas fiadas.

a) Valor do energia: R$ 51,92 = Para nós, consumidores
b) ICMS (do Serra) R$ 19,06 = 36,7% do preço da energia
c) PIS/COFINS: R$ 5,26 = 10,1% (para o Lula)
d) CID PMSP : R$ 3,50 = 6,74% (para o Kassab)

 

Juros…

Na mídia, diariamente, surgem “consultores” não tão independentes pregando o aumento de juros como remédio para todos os males. Façamos algumas contas:
Em 2007 o Brasil pagou cerca de 160 bilhões de reais de juros. Isto resulta em R$ 438, 3 milhões por dia, ou seja, R$ 18, 250 milhões por hora, ou R$ 304.166,7 por minuto ou, ainda, R$ 5.059 por segundo (quase um ano de salário mínimo de um trabalhador!).
Vejam o que escreveu o jornalista Sebastião Neris (Tribuna da Imprensa-R Janeiro):

“Segundo o sério ministro Patrus Ananias, no mês passado, maio, o custo total do Bolsa Família foi de 804 milhões de reais. Logo, um mês do Bolsa Família custa apenas um dia e meio do que o País paga de juros.”

E falam mal do “bolsa família”. O povo não tem consultores disponíveis para atender à pauta da mídia…