TIRAR DUPLA CIDADANIA E VALIDAR DOCUMENTOS EM MAIS DE 100 PAÍSES FICA MAIS FÁCIL

A partir do dia 14 de agosto, vai ficar mais fácil validar documentos brasileiros no exterior. Nessa data, entra em vigor no Brasil a Convenção da Apostila de Haia, tratado que agiliza a tramitação com outros 111 países signatários, incluindo Estados Unidos, Itália e Argentina, e pode até facilitar a obtenção de outra nacionalidade. Inicialmente, a validação só será feita por cartórios em capitais e no Distrito Federal, com previsão de chegar a todas as cidades até o fim do ano.

Hoje, para um documento público ser válido no exterior – como certidão de nascimento, diploma universitário ou antecedente criminal, por exemplo – é preciso submetê-lo a uma série de burocracias. A pessoa física ou jurídica precisa fazer uma tradução juramentada, reconhecer firma em cartório, autenticar no Ministério das Relações Exteriores (MRE) e reconhecer a autenticação em uma embaixada ou consulado do país estrangeiro. O processo pode levar meses.

Com a Convenção, será preciso apenas fazer o apostilamento em um cartório comum, eliminando as etapas consulares. Inicialmente, só os cartórios de capitais estarão aptos para o procedimento, que vai custar

Ler mais

STJ decide que prazo do Dpvat prescreve após três anos

Foto: Reprodução/TV GloboO Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta quarta-feira (10) que o prazo de prescrição de cobrança do Dpvat – conhecido como seguro obrigatório de veículos – é de três anos e não de dez anos. Segundo o advogado Sérgio Bermudes, do escritório que leva o mesmo nome, caso o entendimento fosse diferente, a saúde financeira de diversas seguradoras que atuam no segmento seria abalada.

O Dpvat pode ser acionado em casos de acidentes de trânsito com vítimas. Em caso de morte, o valor da indenização é de R$ 13,5 mil por vítima. O julgamento desta quarta-feira confirma o entendimento de que a vítima ou seus familiares têm três anos para dar entrada no pedido de indenização, a contar da data do acidente.

O julgamento foi feito pela 2ª Seção do STJ e a votação foi de quatro votos a favor e três contra. O ministro Massami Uyeda presidiu o julgamento. O prazo de três anos entrou em vigor a partir de 11 de janeiro de 2003, com o Novo Código Civil.

Bermudes atuou na causa como representante da Real Previdência e Seguros, que é sucedida hoje pela Tokio Marine. Segundo ele, a decisão é final e não cabe recurso extraordinário, nem embargo de divergência.

Juros em 2016 no Brasil

fonte: Jornal da Globo

Taxa de juros do cheque especial é a maior desde 1994

Homem endividadoA taxa de juros do cheque especial subiu para 308,7% ao ano em abril, o maior valor desde 1994, segundo dados do Banco Central. O dado representa um avanço de quase 8 pontos porcentuais em relação à taxa de março deste ano.

O juro do cheque especial só não é maior do que o do rotativo do cartão de crédito, que é a taxa mais alta entre todas as avaliadas pelo BC. Atingiu a marca de 448,6% ao ano em abril ante 449,4% de março, uma ligeira redução de 0,8 pontos porcentuais na margem.

Já a taxa média de juros no crédito livre subiu de 51% ao ano em março para 52% ao ano em abri. Em abril de 2015, essa taxa estava em 41,8% ao ano.

Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 69,2% ao ano para 70,8% ao ano, de março para abril, enquanto a para pessoa jurídica permaneceu estável em 31,1% no mesmo período.

Para o crédito pessoal, aumentou de 53% ao ano para 54% ao ano.

Para veículos, os juros caíram de 27% ao ano para 26,8% ao ano de março para abril. Em abril de 2015, estava em 24,6%. Em 12 meses, a taxa apresenta alta de 2,2 pp e, no quadrimestre, de 0,8 pp.

A taxa média de juros no crédito total, que inclui também as operações direcionadas, acelerou de 32,0% ao ano em março para 32,4% ao ano em abril. No quarto mês de 2015 estava em 26,5%.

O juro médio do crédito direcionado passou de 10,9% ao ano para 10,7% ao ano na margem.

fonte: Exame

BM&FBOVESPA divulga calendário de feriados de 2015

bovespa.gifA BM&FBOVESPA divulgou o calendário de feriados de 2015. Informamos que não haverá negociação nos segmentos de renda variável, de renda fixa e de derivativos nas seguintes datas:

  • 01 de janeiro (quinta-feira) – Confraternização Universal
  • 16 de fevereiro (segunda-feira) – Carnaval
  • 17 de fevereiro (terça-feira) – Carnaval
  • 03 de abril (sexta-feira) – Paixão de Cristo
  • 21 de abril (terça-feira) – Tiradentes
  • 01 de maio (sexta-feira) – Dia do Trabalho
  • 04 de junho (quinta-feira) – Corpus Christi
  • 09 de julho (quinta-feira) – Revolução Constitucionalista (feriado estadual)
  • 07 de setembro (segunda-feira) – Independência do Brasil
  • 12 de outubro (segunda-feira) – Nossa Senhora Aparecida
  • 02 de novembro (segunda-feira) – Finados
  • 20 de novembro (sexta-feira) – Consciência Negra
  • 24 de dezembro (quinta-feira) – Véspera de Natal
  • 25 de dezembro (sexta-feira) – Natal
  • 31 de dezembro (quinta-feira) – Véspera de Ano-Novo

Google está perto de comprar Groupon por até US$ 6 bi

O Google está se aproximando de um acordo para comprar o site de compras coletivas Groupon Inc por até US$ 6 bilhões, publicou o “The New York Times” nesta terça-feira.

O acordo, que deve ficar entre US$ 5 bilhões e US$ 6 bilhões, poderá ser acertado ainda nesta semana, mas pessoas próximas do assunto alertaram que as negociações ainda podem fracassar, afirma o jornal.

O Groupon, companhia privada de Chicago que foi criada há cerca de dois anos atrás, envia a seus membros emails diários com cerca de 200 produtos e serviços com descontos. Os descontos são ativados apenas quando um número mínimo de pessoas aceitar comprar a oferta, o que dá ao Groupon margem para negociar grandes vantagens com fornecedores de produtos e serviços. Groupon no Brasil também é proprietária do Clube Urbano.

Representantes do Google e do Groupon não estavam imediatamente disponíveis para comentar o assunto.

fonte:DA FRANCE PRESSE, EM PARIS

Presidente da Microsoft vende 12% de sua participação na empresa

Steve Ballmer falou nesta quinta-feira (27) na Índia.O presidente-executivo da Microsoft, Steve Ballmer, vendeu US$ 1,3 bilhão em ações da empresa. O valor equivale a cerca de 12% do total de ações que Ballmer possuía da Microsoft. O executivo comentou que sua primeira venda de ações da Microsoft em sete anos não deve ser considerada como um sinal de desconfiança na maior produtora mundial de software.

Ballmer afirmou que venderá mais ações até o fim do ano, em uma medida para diversificar seus investimentos, mas a empresa procurou

Ler mais

Apple, Google e McDonalds no Brasil: Hoje começam as negociações

Hoje a BM&F Bovespa começa a negociar os BDRs de conhecidas empresas norte-americanas. Os BDRs (brazilian depositary receipts) são análogos aos ADRs de empresas brasileiras como Vale e Petrobras negociados na bolsa de Nova York. Em um primeiro momento estarão presentes as seguintes companhias: Apple, Avon, Arcelor Mittal, Bank of America, Exxon Mobil, Google, Goldman Sachs, McDonald?s, Wal-Mart e Pfizer. O Deutsche Bank será o banco responsável pela emissão e controle dos BDRs. Infelizmente de início somente poderão investir nesses papéis fundos de investimento e instituições financeiras. Entretanto investidores individuais que tenham interesse em capitalizar nessas empresas poderão procurar fundos que mantenham esses papéis em carteira.

fonte: ADVFN

Grupo de brasileiros firma acordo de compra do Burger King por US$ 4 bi

O Burger King anunciou nesta manhã de quinta-feira um acordo com o fundo 3G Capital para venda de todas suas ações ordinárias por US$ 24, cada, ou um montante de US$ 4 bilhões, informou em comunicado oficial a rede de fast-food. A aquisição inclui o refinanciamento das dívidas da empresa. A transação deverá ser concluída no quarto trimestre deste ano.

O fundo multi-bilionário tem sede em Nova York e foi fundado pelos brasileiros Marcel Telles, Jorge Paulo Lemann e Carlos Alberto Sicupira — acionistas da ABInBev, maior cervejaria do mundo e que controla a AmBev.

Às 11h58 (horário de Brasília) a ação era comercializada por US$ 23,4 na Nyse (Bolsa de Nova York); 24% a mais do que o preço do fechamento de ontem, a US$ 18,86 por ação.

Em comunicado, o Burger King informou que o termo do acordo foi aprovado por unanimidade pelo Conselho de Administração da rede, e detalha que todas as ações ordinárias serão vendidas. O ágio obtido com a operação, de acordo com a companhia, será de 46% sobre o preço dos papeis — antes afetados por rumores de mercado.

O acordo prevê que a 3G Capital compre, por meio de oferta pública, a totalidade das ações em circulação (listadas em Bolsa) da companhia.

Cerca de 31% das ações em circulação pertencem aos associados da TPG Capital LP, Goldman Sachs Capital Partners e Bain Capital Investors. O acordo celebrado informa que esse percentual será ofertado integralmente na venda.

Para a aquisição, a 3G Capital obteve financiamento direcionado à compra da totalidade das ações em circulação e para o refinanciamento das dívidas existentes.

Segundo o site institucional da 3G Capital, o fundo “tem foco em investimentos em ações de companhias bem geridas, fundamentalmente sólidas que estão sendo negociados com um desconto substancial de seu mercado”, e de capital aberto.

No comunicado, Alex Behring, sócio da 3G Capital, justifica a aquisição por ser “o Burger King um ícone das marcas mundiais e com rede franqueada sólida, além de grande oferta de produtos [o que] tornar este [acordo] um ajuste perfeito para 3G Capital — que tem um forte histórico de investimentos de longo prazo em relação às marcas globais de consumo e varejo”.

DIFICULDADES

O Burger King negocia suas ações na Nyse (Bolsa de Nova York) desde 2006.

Em agosto, o Burger King projetou fraca demanda para o atual ano fiscal em meio à dificuldade de recuperação econômica e disse não estar certo sobre quanto os custos de matérias primas, como os da carne, impactariam a empresa.

A companhia afirmou que a alta taxa de desemprego nos EUA e os programas de austeridade na Europa afetariam as vendas nos restaurantes em operação há mais de um ano.

O Burger King, que concorre com o McDonald’s, afirmou esperar que os preços de commodities nos EUA sejam fracos no ano fiscal de 2011, embora os custos de carne e trigo não estejam precisos.

A cadeia de fast-food opera hoje 12.150 restaurantes em 50 estados e em 75 países. De acordo com o Burger King, aproximadamente 90% de suas unidades são operadas por franqueados independentes.

fonte: folha.com

Doação de bilionários americanos pode ser só o começo

O compromisso firmado por 40 bilionários junto ao movimento “The Giving Pledge” é distribuir, no mínimo, 50% de suas fortunas

Na semana passada, teve enorme repercussão a notícia de que 40 bilionários americanos comprometeram-se a doar, ao menos, metade de suas fortunas a finalidades beneficentes. Eles atenderam ao pedido realizado em junho pelos dois homens mais ricos do país, Bill Gates (criador da Microsoft e dono de 53 bilhões de dólares) e Warren Buffet (lendário investidor americano e detentor de um patrimônio de 47 bilhões de dólares).

Segundo dados da Forbes, o patrimônio total destes 40 ricaços é de cerca de 240 bilhões de dólares. Na hipótese de eles se restringirem ao mínimo porcentual prometido (50%) na lista “The Giving Pledge”, os donativos totalizarão, portanto, 120 bilhões de dólares (veja o quadro abaixo).

Trata-se de um estoque de dinheiro que ainda não se sabe quando começará a ‘pingar’ nos cofres das instituições beneméritas. De qualquer maneira, a expressividade do valor é inegável mesmo para um país como os Estados Unidos, cuja tradição ‘de caridade’ já faz com a população doe 300 bilhões de dólares ao ano para obras assistenciais. Especialistas acreditam que o exemplo dos bilionários poderá ajudar a dobrar esse valor, com os americanos passando a doar 4% de sua renda anual, contra os 2% atuais. Trata-se de um exemplo ao Brasil.

Bilionários caridosos

fonte: Veja